Becoming adept to change: challenges of [not] being a mom [yet]

[Versão em Português logo abaixo]

At a job interview recently, the interviewer asked me how I react to change. My immediate response was to say that I love change – a Brazilian living in Canada, what else is there to say? Of course, that was not what she meant and I knew that – still, any type of change, is a change. But then, this ‘change thing’ got stuck with me.

I have faced change in a job’s environment before. Be it something that is proposed by a higher hierarchy or even processes that I suggest changing. And that’s a fact if I can recognize – or if there’s someone who can explain to me why that is a positive change, I am okay with that.

However, notice that there are two different types of changes: ones that come to modify a process or a behavior that you do/have, and the ones that happen to change the way you have planned before. See the difference? Not necessarily change comes to processes or comes to daily routines. You can expect change for things that you have planned and worked for your entire life. You can also call it unforeseen obstacles if you wish. But let’s be positive and let’s call it change.

The Story

I wasn’t even aware of what it meant to be a mom… But I knew I wanted to be that. I was in the first grade when I first wrote of what is to be a mom. Not a mom, but the mom – a great mom. I remember that my essay talked about details of how to feed a baby. What did I know about feeding a baby? I was only 6 or 7 years old.

I have a younger brother, four years younger than me. So yes, I remember my parents changing his diapers and me helping them. Since the beginning, I always wanted to be part of that world that cared for the little ones and that helped the little ones.

Then adolescence years got to me, and my younger cousin had her first baby. She was only 16, what made me probably around 18-19 years old. We got closer, and my family got closer to her as well… We got closer because of her, because of the baby… Because of the whole situation. At this time, I was already living by myself, so I invited her and the baby to live with me. Why not? Single and with a spare bedroom, in love with my cousin’s baby… Of course, I did that.

It was only for a very short period. Truth is, my cousin could not handle the rules (well, she had a baby at 16…). But let’s not judge, because looking back, it is such a blessing that she’s a mom at 16. So, for this very short time, my godson and my cousin were there with me. I occasionally took my godson to school and went to pick him up. I fed him. He was one year old, maybe not even one yet. Let’s say that during this period, my mom and I were my godson’s mom; because having a baby certainly changed my cousin’s life. She needed help.

Things got intense because we felt compelled to help. My godson is such a loving child. We all got too attached. But there were also the stressful days, when I remember telling myself I had not signed up for that, I had not signed up to be a mom yet. Little I knew that I had, somehow, signed up for that. And maybe I wasn’t adept to change yet.

Time goes by… and today, with what I know, I wish it was me pregnant at 16 as well. I tell myself that I should have been more patient with my cousin – and who knows, I wish I had signed up for that. The desire of being a mom was shown since my first grade and has ever since haunted me. This desire that was shown all throughout my university years, throughout my adulthood, my married life. And today.

The Challenge

I say haunted me, because at 27 today, I see my many friends having babies and getting pregnant, happier and blessed… While I am facing the challenge of not being able to get pregnant [yet]. It’s ironic and it’s like if my desire impregnated everyone I know (This is just a way of putting things – of course, I know that my desires don’t move the world!). The irony lives there because, for many of my friends, I am still the “little mom”. People say that I am the responsible one from the group, the one with the right words to say. And it’s me that they count on when they find out that they are expecting. So, I am taking care of my friends first, let them have their children, so then I can take care of myself. Let me be the mom of big children for now.

While this happens, I did dream of how I would tell my husband that I am pregnant. I told him one of these days what I had planned. What I had planned for the past 20 months, the period that we have been trying to conceive. I openly told him what I planned to do, even though I am not pregnant, and I know this will not happen as soon as I expected.

I did not tell him how I planned to surprise him because I lost my hopes in getting pregnant. No, I did not lose my hopes. Some of my hopes maybe, but I know that even if we don’t have our own DNA child, we will still have a much-loved child.

I have never expected this plan to change. A plan that came with me from when I was young and did not know what to be a woman is, let alone to be a mother. Nobody is born ready to change such delicate path of their lives. It’s not been easy to accept this… But that job interview really made me see things from a different angle.

I may have responded my interviewer that I am ready for change, but in real life, things are different. When I got married I had planned to have kids after I graduated – and I always joked it would be seven children. So, my story might have shifted a bit with this challenge that we have today. But I will face it as a change, not as an obstacle.

The Change

The essay I wrote when I was in the first grade, I did not write to my own child, the one that I would be conceiving in the future. I wrote that to little ones… To any little one that requires being cared for and being loved. I wrote not about being a biological mother, but a mom that loves her child no matter what.

I do believe that people have this passion for each other and are capable of learning things that they would never have imagined. For my little knowledge of what is to be a mom, this is the kind of passion that I am talking about, and probably what I described in my first-grade essay. Likely being a mom is facing a change – and having to learn and adapt to things that were not present before.

You have read all of that… You know that things haven’t been easy lately and that life is not a bed of roses. While I say all of that, I know that it is not only me facing this challenge but many other women and couples everywhere. And you probably also know that I have felt angry in the past couple of months when people did not stop asking me if I was pregnant. I know this is my own fault. As my friends told me at that time, they know my desire to be a mom, and questioning me is just a way of showing that they are rooting for me.

Instead of planning how to tell my husband that I am pregnant, I will plan a new future. This future still includes a child… But before that, I will take a [forced] time to keep exploring the world using an opportunity that my husband and I have, an idea, a dream that so many people have, but so little accomplish. I will take this challenge as a change in the course of plans and will go back to it when it’s time.

[PT-BR]

Me tornando adepta à mudanças: desafios de [não] ser mãe [ainda]

Em uma entrevista de emprego recentemente, a entrevistadora me perguntou como eu reajo à mudanças. Minha resposta imediata foi falar que eu amo mudanças – uma brasileira vivendo no Canadá, o que mais podemos dizer? Claro, não foi isso que ela quis dizer e eu sabia disso – mesmo assim, qualquer tipo de mudança é uma mudança. Mas então, aquela ‘coisa sobre mudanças’ ficou na minha cabeça.

Eu já enfrentei mudanças em um abiente de trabalho antes. Seja porque a mudança foi proposta por algum chefe, ou processos que eu mesma sugeri mudar. E o fato é que se eu posso reconhecer – ou se tem alguém que me explique porque certa mudança é positiva, eu estou bem com isso.

Porém, note que existem dois tipos de mudanças: aquelas que vem para mudar um processo ou um comportamento que você faz/tem, e aquelas que acontecem para mudar o modo que você planejou algo antes. Percebe a diferença? Não necessariamente mudanças acontecem à processos ou acontecem à rotinas diárias. Você pode esperar mudanças à coisas que planejou e trabalhou para que acontecessem a sua vida inteira. Também pode chamar isso de obstáculos imprevistos se quiser. Mas vamos ser positivos e chamar isso de mudança.

A História

Eu nem sabia o que significava ser mãe…. Mas eu sabia que eu queria ser isso. Estava na primeira série quando eu escrevi pela primeira vez o que significa ser mãe. Não ser mãe, mas A mãe – uma grande mãe. Eu me lembro que a redação contava sobre detalhes de como alimentar um bebê. O que eu sabia sobre a alimentação de bebês? Eu tinha apenas 6 ou 7 anos.

Eu tenho um irmão mais novo, quatro anos mais novo que eu. Então sim, eu me lembro dos meus pais trocando a fralda dele, e me lembro de ajudar também. Desde o começo, eu sempre quis ser parte deste mundo que toma conta das criaturinhas pequenas e que os ajuda.

Então a veio a adolescência e minha prima mais nova teve seu primeiro bebê. Ela tinha apenas 16 anos, o que me faz ter em torno dos 18 ou 19 anos nessa época. Nós ficamos mais próximas, e minha família também ficou mais próxima dela… Todos nós ficamos mais próximos, por causa dela, por causa do bebê… Pela situação toda. Nessa época eu já estava morando sozinha, então à convidei para morar comigo. Porque não? Solteira, com um quarto disponível, e apaixonada pelo bebê da minha prima… Claro, eu a chamei pra morar em casa.

Foi apenas por um período curto. Verdade seja dita, minha prima não conseguiu lidar com as regras (bom, ela teve um bebê quando tinha apenas 16 anos…). Mas não vamos julgar, porque olhando essa situação hoje, foi uma benção ela ter sido mãe aos 16 anos, Então, por este tempo curto, meu afilhado e minha prima estavam lá comigo. Às vezes eu o levava para a escola e ia buscá-lo. Eu o alimentava. Ele tinha apenas um ano de idade, talvez nem isso ainda. Vamos dizer que durante este período, minha mãe e eu fomos as mães do meu afilhado; porque ter um bebê realmente mudou a vida da minha prima. Ela precisava de ajuda.

As coisas ficaram um pouco intensas porque a gente sentiu que devia ajudar. Meu afilhado é um menino tão amável. Mas eu tive também uns dias bem estressantes, e me lembro que me questionava falando que eu não tinha me inscrito para ser mãe ainda. Pouco sabia eu, que de alguma forma, eu tinha sim me inscrito praquela situação. E talvez eu ainda não era adepta à mundanças.

O tempo passa… e hoje, com o que eu sei, queria que fosse eu grávida aos 16 anos também. Eu falo para mim mesma que deveria ter sido mais paciente com minha prima – e quem sabe, eu desejo que eu tivesse me inscrito pra ser mãe naquela época. O desejo de ser mãe sempre se mostrou na minha vida, desde a primeira série e desde então, me assombra. Esse desejo que que perseguiu nos meus anos na faculdade, na minha vida adulta, na minha vida de casada. E que me persegue hoje.

 O Desafio

Eu digo que me assombrou, porque hoje aos 27 anos, eu vejo minhas amigas tendo bebês e ficando grávidas, mais felizes e abençoadas… Enquanto eu estou sendo desafiada por não estar grávida [ainda]. É irônico, porque é como se meu desejo tivesse impregnado em todo mundo que eu conheço (Isso é só um modo de dizer – claro que eu sei que meus desejos não movem o mundo!). E a ironia mora aí, porque para muitos de meus amigos, eu ainda sou “a pequena mãe”. As pessoas dizem que eu sou a responsável do grupo, a pessoa que diz as coisas certas. E é comigo que meus amigos contam quando descobrem que estão esperando um bebê. Então, eu estou cuidando dos meus amigos primeiro, vou deixá-los terem seus filhos, e aí sim eu poderei cuidar de mim mesma. Me deixe ser a mãe de crianças grandes por enquanto.

Enquanto isso acontece, eu sonhei em como eu contaria para meu marido que estou grávida. Eu disse pra ele um desses dias o que eu tinha planejado. O que eu planejei durante os últimos 20 meses, o período em que estamos tentando engravidar. Eu disse abertamente o que tinha planejado fazer, mesmo que eu não esteja grávida, e mesmo sabendo que isso não irá acontecer tão cedo.

Eu não falei pra ele dos meus planos de surpreendê-lo com a notícia de uma gravidez, porque perdi as esperanças de engravidar. Não, eu não perdi minhas esperanças. Talvez tenha perdido um pouco, mas eu eu sei que mesmo que a gente não tenha nosso próprio filho, com o mesmo DNA, nós ainda teremos um filho muito amado.

Nunca pensei que meus planos pudessem mudar. Planos que vieram comigo desde quando eu era muito nova, quando nem sabia o que é ser mulher, que dirá mãe. Ninguém nasce pronto para mudanças tão delicadas na vida. Não tem sido fácil aceitar isso… Mas aquela entrevista de emprego realmente me fez ver as coisas por um ângulo diferente.

Talvez eu tenha respondido para minha entrevistadora que eu estou pronta para mudanças, mas na vida real, as coisas são diferentes. Quando eu me casei, planejei ter filhos depois que graduasse – sempre brinquei que seriam sete crianças. Então, minha história pode ter tomado um outro curso com esse desafio que temos hoje. Mas eu vou encarar como uma mudança e não como um obstáculo.

A Mudança

A redação que eu escrevi quando estava na primeira série, não escrevi pro meu próprio filho, filho que teria no futuro. Eu escrevi pra criaturinhas pequenas… Pra qualquer criaturinha que precisa de cuidados e ser amado. Eu não escrevi sobre ser mãe biológica, mas uma mãe que ama seu filho não importam as circunstâncias.

Eu acredito que as pessoas tenham esse amor umas pelas outras e são capazes de aprender coisas que nunca tinham imaginado possíveis. Para meu pobre conhecimento, ser mãe é parte desse amor que estou falando, e que provavelmente descrevi na minha redação da primeira série. Provavelmente ser mãe é enfrentar uma mudança – e ter que aprender a se adaptar à coisas e situações que não existiam antes.

Você leu tudo isso… E sabe que as coisas não tem sido fáceis e que a vida não é sempre um mar de rosas. Ao mesmo tempo em que eu digo tudo isso, eu sei que não sou só eu enfrentando esse desafio, mas muitas outras mulheres e casais por aí. E você provavelmente sabe que eu me senti brava há um tempo atrás quando as pessoas não paravam de me perguntar se eu estava grávida. Eu sei que isso é minha culpa. É como meus amigos comentaram na época, eles sabem meu desejo de ser mãe, e me fazer essas perguntas é só uma maneira de mostrar que eles estavam torcendo por mim.

Ao invés de planejar como eu vou falar pro meu marido que estou grávida, vou planejar um novo futuro. Esse futuro ainda inclui uma criança… Mas antes disso, eu vou tirar um tempo [forçado] para continuar explorando o mundo, usando uma oportunidade que temos hoje, uma idéia; um sonho que tantas pessoas tem, mas tão poucas realizam. Eu vou considerar esse desafio como uma mudança nos planos e vou voltar para os planos originais quando for o tempo certo.

 [English version on top]

Photo by Louis Blythe on Unsplash

Advertisements

Leave a Reply

Please log in using one of these methods to post your comment:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

w

Connecting to %s